Meu relato da 4ª Maratona Brasília PRF / Ao Mestre com carinho

Eu e minha amada antes da prova
Eu e minha amada antes da prova
Olá meus amigos… Agora que estou recuperado da minha grande experiência de vida no esporte gostaria de relatar a vocês… Agora sou um maratonista! No último domingo, após 4 meses de preparação árdua, conclui a minha primeira maratona: a Maratona de Brasília PRF 2011.
Estava com a estratégia traçada e o que tinha pra ser treinado foi treinado. Às 6h15 cheguei ao local da largada acompanhado da minha namorada e eterna incentivadora e torcedora Paula. É sempre muito animador ver milhares de pessoas reunidas pela corrida. Nunca conheci um corredor de rua que fosse mal humorado ou que estivesse de mal com a vida. A largada da maratona é um encontro de pessoas que sorriem, que brincam, que se divertem e que compartilham suas histórias de superação.Nos momentos anteriores à largada fui tomado por uma sensação indescritível: Calafrios pelo corpo, gerados talvez pela energia do momento e pelas incertezas do que ocorreria nas próximas horas…
Fui cumprindo o planejado na planilha a cada km. Passei os 10k no tempo combinado (por volta de 51 minutos) apesar do frio e do forte vento de 26km/h vindo na direção contrária. Até os 21km estive fisicamente muito bem e fechei em aproximadamente 1h50min, apesar de já ter encarado algumas subidas e principalmente os últimos 7k do percurso, que seriam em subida contínua e já imaginando que encararia tudo de novo na segunda volta, senti que chegaria aos 30km com tranqüilidade e foi o que fiz.
Entre os kms 30 e 31, as coisas mudaram. As cãibras tomaram conta das minhas coxas e panturrilhas e a dor começou a tomar conta de meu corpo. No 31km senti toda a pressão da prova e pude ver o quanto o estado físico pode mudar em uma prova longa. As dores fizeram com que minha passada encolhesse e que ficasse cada vez mais difícil manter o ritmo. Que chegou a cair em mais de 1 minuto algumas vezes a partir daí.
Consegui fazer isso até aproximadamente o 38km quando precisei reduzir ainda mais o ritmo em função da dor. Nessa altura eu já estava tendo que dar pequenas pausas pra alongar as panturrilhas e coxas e sem conseguir parar de pensar na dor. Colocando um pé na frente do outro, fui seguindo. Ciente de que faltava muito pouco, juntei todas as forças que ainda restavam em meu corpo e prossegui. O público, organizadores da prova, o pessoal do apoio e demais atletas não paravam de mandar boas energias com palavras de incentivo. A dor se confundia com entusiasmo e euforia.
Ao ver o pórtico de chegada, a cada passada na reta final ficava mais difícil conter o sorriso de meu rosto. Simplesmente não conseguia parar de rir, apesar da dor. Corri em passos cada vez mais largos e rápidos até chegar aos últimos metros. Meu sorriso que ia de orelha a orelha foi acompanhado de algumas lágrimas nesse momento. Cruzei a linha de chegada dos 42.195m após 4hs de algumas das melhores horas que já vivi em minha vida.
Cada um tem sua história, sua experiência e suas lembranças da primeira Maratona. O que posso dizer da minha é que duas coisas me ajudaram a chegar lá: A disciplina e boa orientação nos treinos. Tive como Técnico nessa jornada o MESTRE Wanderlei de Oliveira, que me deu a receita do bolo. Segui à risca as orientações dele tanto no que diz respeito aos treinamentos em si (confesso que pequei na musculação), mas também nas dicas nutricionais e mais importantes: Dicas de vida! Agradeço muito a ele em primeiro lugar por ter acreditado em mim apesar de não me conhecer pessoalmente e também e ter feito toda essa mudança em minha vida e por ter me levado a um novo patamar na corrida nesses 4 meses de treinos.
Com o corpo e principalmente a cabeça pronta, apesar de tudo que foi relatado acima sobre as dificuldades que tive, eu soube o tempo todo que iria conseguir. Em momento nenhum durante a prova pensei em desistir. E, quando o corpo começava a querer falar mais alto, a cabeça assumia o controle e retomava o foco. Pensamento positivo é tudo na vida. Não esqueçam isso jamais, meus amigos. Como diz o Wanderlei: 80% da corrida é cabeça! Sem sombra de dúvidas, constatei isso ontem.
Sou eternamente grato a todos que fizeram parte de alguma forma desta conquista! O mais importante de tudo não é correr os 42k. É ter tido saúde para chegar lá, amigos especiais (Entre eles, em especial a Fernanda Paradizo e Harry Thomas Jr. Pelas dicas e pelos papos) e principalmente o apoio da minha mulher amada, Paula, com quem pude contar na preparação, no percurso e na chegada!Muito obrigado por existir, por doar o teu amor incondicional e por me fazer o homem mais completo desde mundo! TE AMO! São essas coisas e essas pessoas que me fazem ser o maratonista mais feliz do mundo!
           Desde ontem posso me considerar um maratonista, mas não é esse título, ou rótulo, que me faz feliz e sim a consciência de que fiz o meu melhor para merecê-lo.
            Agora é hora de deixar que meu organismo se recupere e estabelecer meu próximo objetivo. Viver sem objetivos é deixar que a vida lhe leve para qualquer lugar. Eu prefiro decidir para onde quero ir. Principalmente se for correndo!
MESTRE Wanderlei de Oliveira
MESTRE Wanderlei de Oliveira

3 thoughts on “Meu relato da 4ª Maratona Brasília PRF / Ao Mestre com carinho

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s